Laboratório de Sistemática e Biogeografia de Diptera


     

Home

 

 

 

 

 

Veja também...

Técnicas de coleta de Diptera

 

 

 

 

 

 

Envio de espécimes para identificação

 

Diversos pesquisadores e estudantes (graduação e pós-graduação) enviam-nos espécimes de Diptera estudados em seus projetos de pesquisa para identificação até o nível específico. Assim, parte do material estudado e examinado no Laboratório de Sistemática e Biogeografia de Diptera provem deste tipo de colaboração com pesquisadores e estudantes de outros grupos de pesquisa e instituições.

No sentido de esclarecer eventuais dúvidas, e também para efeito de padronização, apresento abaixo algumas recomendações e cuidados de como proceder na preparação do material entomológico para envio via postagem (Correios).

Antes de enviar qualquer material, leia todas as informações desta página.

 

Devo entrar em contato antes de enviar o material para identificação?

SIM. Favor enviar um e-mail para silvionihei@gmail.com. Nesta mensagem faça uma breve apresentação de seu grupo de pesquisa e descreva o projeto de pesquisa do qual faz parte o material entomológico a ser enviado. É importante mencionar se o material faz parte de estudo acadêmico (monografia, trabalho de conclusão de curso, dissertação ou doutorado). Outra informação muito importante a ser explicitada (e parar ser acordada entre as duas partes) é a questão do tempo: se os dados de identificação do material a ser enviado serão necessários dentro do prazo de 01 mês, 01 semestre, 01 ano, 02 anos, etc.

Atenção: Antes de solicitar qualquer tipo de colaboração de um taxonomista, qualquer que seja o grupo de estudo, tenha sempre em mente que este taxonomista possui seu tempo ocupado com seus próprios projetos de pesquisa, com suas aulas, com suas orientações, com outras colaborações. Além disso, lembre-se que a identificação de espécimes até o nível específico pode requerer mais tempo que o previsto inicialmente, e disto não depende a quantidade de material, mas sim sua diversidade e complexidade. Um indivíduo de uma espécie pertencente a um grupo mal conhecido pode exigir mais tempo do que 100 indivíduos de várias espécies de grupos bem conhecidos. Neste sentido, recomendo a leitura de alguns artigos selecionados, que chamam a atenção para a importância do  trabalho desempenhado pelo taxonomista.

 

Quais os grupos (famílias) de Diptera estudados no Laboratório?

No Laboratório são estudadas famílias de dípteros caliptrados, principalmente Tachinidae, Rhinophoridae, Muscidae e Anthomyiidae.

 

Qual a forma de preservação/preparação mais adequada do material?

1) Os espécimes enviados podem estar preservados em via úmida: álcool etanol 70% a 100%, com preferência ao 100%.

2) Outra opção é a preservação em via seca: montagem em alfinete entomológico. Sendo montagem simples para espécimes de tamanho médio a grande; montagem dupla (com triângulo de papel) para espécimes menores.

 

Quais tipos de informações devem acompanhar os espécimes?

1) Etiqueta com dados de procedência geográfica

Tanto material em via úmida quanto em via seca devem portar uma etiqueta (em papel sulfite branco ou papel vegetal) contendo os dados de coleta de cada espécime (estado e município, bairro/parque/reserva/estrada, data da coleta, nome do coletor ou coletores, dados de latitude/longitude quando houver).

2) Etiqueta com dados do hospedeiro

Para material com espécies parasitóides (por exemplo, Tachinidae), cujos adultos foram coletados após a emergência, é imprescindível a inclusão da identificação do hospedeiro. A informação é apresentada da seguinte forma: "Ex. Brassolis sophorae (Nymphalidae)" (isso expressa basicamente que o díptero foi encontrado parasitando um indivíduo de Brassolis sophorae). Esta informação pode estar contida na própria etiqueta de procedência geográfica. Ou, alternativamente, esta informação pode constar numa segunda etiqueta. Caso a identificação do nome científico não esteja disponível, incluir pelo menos o nome comum (por exemplo, "largarta-da-soja", "broca-do-algodoeiro", "largarta-da-folha-do-coqueiro").

 

Como acondicionar o material para postagem?

1) Material em via úmida deve estar acondicionado em frasco(s) de vidro ou plástico que não permita vazamentos do álcool. Qualquer quantidade de vazamento/evaporação pode causar sérios problemas ao material durante seu transporte. Acondicione o(s) frasco(s) de modo a não ficarem soltos na caixa de postagem, por exemplo, coloque-os presos a um pedaço de isopor dentro de uma pequena caixa, ou agrupe-os com fita durex e envolva-os com plástico-bolha.

2) Material em via seca deve estar acondicionado em uma pequena caixa rígida (papelão ou madeira) com fundo de isopor e tampa. Esta pequena caixa deve ser rígida o bastante para evitar possíveis danos ao material em seu interior durante o transporte.

3) Após os procedimentos 1 ou 2, coloque o material em uma caixa maior (que será a caixa de postagem), envolto por material de proteção anti-impacto (pedaços de isopor picado, pedaços de jornal amassado, etc.). 

 

Quais informações devem ir no interior do pacote?

No interior da caixa de postagem coloque uma carta-ofício com as informações acadêmicas (cargo/função e instituição) do rementente e do destinatário. Descreva o material entomológico em sua identidade, quantidade e modo de preservação (por exemplo: Insetos Dípteros, 34 exemplares mortos, montados em alfinete), e também informe o motivo do envio do material (Exemplares enviados para identificação, com interesse meramente científico; sem finalidade de prospecção biológica, genética, etc.; e sem finalidade comercial).

 

Quais informações devem ir no lado de fora do pacote?

No lado de fora do pacote, estampe-o com as seguintes expressões: "Manusear com cuidado. FRÁGIL ", "Material científico, sem fins comerciais".

 

Quais as modalidades e tipos de postagem?

Para postagem doméstica, utilize os serviços normalmente disponíveis nos Correios, com preferência para a Encomenda Normal com Aviso de Recebimento (rastreável). Evite serviços expressos (rápidos) de entrega como o SEDEX dos Correios, ou empresas similares.

Para postagens a partir do exterior, evite utilizar serviços expressos (rápidos) de entrega tipo courier (UPS, DHL, TNT, FEDEX e similares), recomendo utilizar os serviços regulares de postagem (correio comum não-expresso). Os serviços não-expressos apesar de mais demorados, são uma garantia de entrega, enquanto que, para os serviços expressos, vários casos já foram reportados sobre material preso (retido) por autoridades alfandegárias do Brasil sob mando de agências regulatórias ambientais.

 

$$$ Há alguma taxa ou valor cobrado para identificação?

NÃO. O trabalho de identificação realizado é uma forma de prestar serviços de extensão universitária à comunidade (científica ou não).

 

E se o estudo do material identificado resultar em uma publicação científica?

A participação do taxonomista como co-autor do estudo deve ser acordada e definida entre as partes antes ou durante o processo de identificação. Tudo, claro, dependerá do grau de participação e envolvimento do taxonomista, seu tempo despendido no estudo do material, etc.

 

Qual o endereço para envio?

Destinatário: Silvio Shigueo Nihei

Endereço: Departamento de Zoologia, Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, Rua do Matão, Travessa 14, número 101, Cidade Universitária, São Paulo-SP, CEP 05508-900.