Publicações

 

MEGURO, M.; VINUEZA, G.N. & DELITTI, W.B.C. - 1979 - "Ciclagem de Nutrientes Minerais na Mata Mesófila Secundária. I - Produçåo e Conteúdo de Nutrientes Minerais do Folhedo". Bolm Botânica Univ. S.Paulo , 7:13-31.

A produção anual do folhedo , o conteúdo de alguns nutrientes minerais e a razão do desaparecimento do folhedo acumulado foram estudados em uma reserva de mata semidecídua secundária com cerca de 10 há de área, situada na região metropolitana de São Paulo, SP. (23º 33' S, 46º 43' W; 735-765 m de altitude). A produção anual de folhedo foi de 9,4 t. há – 1 , sendo maior fração a de folhas, seguida em ordem decrescente, de elementos lenhosos (28,6%), flores + frutos + sementes (6,3%) e detritos não identificados (2,4%). Embora as espécies arbóreas do estrato superior sofram abscisão total ou parcial de folhas nos meses mais secos e frios (junho, julho e agosto), não foi observada uma sazonalidade marcante na queda do folhedo total, provavelmente pelo fato de experimentos terem sido desenvolvidos em anos cuja distribuição pluviométrica se mostrou bastante homogênea, mesmo no período normalmente menos chuvoso. O conteúdo de nitrogênio orgânico do folhedo produzido no período de um ano foi da ordem de 186kg.- 1 , tendo as folhas contribuído com 130kg, os elementos lenhoso com 34kg, flores, frutos e sementes com 15kg e detritos não identificados com 7,4kg.O conteúdo em potássio foi estimado em 38kg.há-1.ano 1 , cálcio 104 kg, magnésio 18kg e fosfato 9,4kg. Em todos os casos, as folhas contribuíram com a maior parcela. A razão de desaparecimento do folhedo foi estimada em torno de 0.8 – 0.9 e o tempo necessário para a decomposição de 50%, em aproximadamente, 9 – 10 meses.

MEGURO, M.; VINUEZA, G.N. & DELITTI, W.B.C. - 1979 - "Ciclagem de nutrientes Minerais na Mata Mesófila Secundária. II - O Papel da Precipitação na Importaçåo e Transferência de Fósforo e Potássio". Bolm Botânica Univ. S.Paulo , 7 : 61-67.

Este trabalho estuda o papel da precipitação e transferência de potássio e fósforo na reserva da mata mesófila secundária localizada na área metropolitana de São Paulo- S.P. (23º33'S; 46º43W). Os resultados obtidos mostram que cerca de 68% da precipitação atingiu efetivamente a superfície do solo, atravessando a cobertura vegetal no período do experimento. Cerca de 2,3kg.há- 1 . Ano- 1 de potássio foram importados através da precipitação incidente e nada menos de 126kg.há- 1 ano- 1 chegaram á superfície do solo da mata, conduzidos pela água de gotejamento. Quanto ao fósforo cerca de 1,12kg.há- 1 .ano- 1 foram trazidos pela água de precipitação livre e sua participação na água de gotejamento foi muito menor (7,5 kg.há- 1 .ano- 1 ) em relação ao potássio. Em termos globais de transferências via folhedo e água de precipitação, mais de 70% de K e mais de 40% do P foram conduzidos pela água de chuva.

MEGURO, M.; VINUEZA, G.N. & DELITTI, W.B.C. - 1980 - "Ciclagem de Nutrientes Minerais na Mata Secundária. III - Decomposição do Material Foliar e Liberação dos Nutrientes Minerais". Bolm Botânica Univ. S.Paulo, 8 :7-20.

O presente trabalho trata da decomposição do material foliar recém-caído de 4 espécie arbóreas de uma mata mesófila secundária (23º 33's, 46º 43'w., altitude entre 765-735m, São Paulo – S.P.): Cedrela fissilis vell. (Meliaceae), Alchornea sidifolia Mull. Arg. (Euphorbuceae), ambas do estrato superior ; Guarea turbeculata Vell. (Meliaceae), e Redgea jasminoides (cham.) Mull. Arg. (Rubiceae) do estrato secundário. Amostra de folhas recém-caídas de cada uma das espécies e lotes mistos de 4 espécies foram colocados em bolsas de rede de "nylon" e expostos juntos ao folhedo existente no interior da mata. Uma série de experimentos foi iniciada no fim da estação chuvosa e teve duração de 6 meses. Uma outra teve início no começo da estação chuvosa, com duração de 12 meses. Na primeira série foi verificado um declínio no peso seco da ordem de 10-20% após 4 meses e de 35-50% após 6 meses de decomposição. Na Segunda série, a perda do material orgânico após 3 meses chuvoso atingiu 30-50, e 40-60% após 6 meses. No fim do período do experimento, 12 meses mais tarde, o material orgânico remanescente no folhedo era da ordem de 45-25%. O conteúdo de carbono das amostras apresentou uma diminuição mais acentuada no início do processo de decomposição, mas os teores de nitrogênio e fósforo permaneceram mais ou menos constantes. A liberação destes elementos segui, portanto, a razão da perda do peso seco das amostras. Por outro lado, os teores de potássio, cálcio e magnésio mostraram, de modo geral, maior queda nos primeiros 6 meses de decomposição. A razão da decomposição exponencial k foi mais elevada para as folhas de Alchornea e Rudgea do que nas de Guarea e Cedrela, similares neste aspecto. O lote misto apresentou valor intermediário. O tempo requerido para o desaparecimento de 50% do material, t 50%, foi estimado em torno de 5-6 meses para folhas de Alchornea e Rudgea e 8 meses para Guarea e Cedrela.

DELITTI, W,B,C. 1995 Estudos de ciclagem de nutrientes: Instrumentos para análise funcional de ecossistemas terrestres.IN ESTEVES,F.A.(ed) Estrutura, Funcionamento e Manejo de Ecossistemas . U.F.R.J. OEcologia Brasiliensis 1 :469-486

A disponibilidade e o padrão de ciclagem dos nutrientes minerais constituem-se num dos principais fatores limitantes para a produção primária e, consequentemente para o estabelecimento e desenvolvimento dos ecossistemas. As estimativas dos estoques de nutrientes presentes nos compartimentos dos ecossistemas e as transferências existentes entre eles podem refletir as estratégias das comunidades frente aos tensores ambientais. Muitos parâmetros peculiares aos estudos de ciclagem de nutrientes mostram-se úteis para comparação entre ecossistemas e para avaliar as respostas dos ecossistemas sob diferentes condições. O padrão de funcionamento dos ecossistemas é tema relevante para a pesquisa, principalmente por ser capaz de fornecer subsídios para o manejo mais adequado dos recursos da biosfera.

GRANDI, R.P., GRANDI, A C. & DELITTI, W.B.C. 1995 Hyphomycetes sobre folhas em decomposição de Cedrela fissilis Vell. Hoehnea 22(½):27-37.

Hyphomycetes sobre folhas em decomposição de Cedrela fissilis Vell. Dezenove táxons de Hyphomycetes foram detectados em folhas em decomposição de C. fissilis Vell., na reserva florestal da Cidade Universitária "Armando de Salles Oliveira", localizada na cidade de São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil. Folhas de C. fissilis foram colocadas em bolsas de tela de náilon, l distribuídas no solo da Reserva em Janeiro de 1991 e coletadas a partir de Fevereiro de 1991 até Janeiro de 1992. Aplicou-se ás folhas a técnica de lavagem sucessiva com água destilada esterilizada e incubação em câmaras-úmidas para isolamento dos fungos. Chloridium virescens (Pers.) W. Gams & Hol.- Jech. Var. Chlamydosporum (van Beyama) W. Gams & Jech e Trichoderma sp. Foram os táxons que predominaram durante todo o período. Este trabalho é pioneiro em relacionar componentes da micota nessa reserva incluindo Camposporium antunnatum Harkn, Pseudobotrytis terrestris (Timonin) Subram, Pyricularis fusispora (Mats.) Zuconi, Onofri & Persiani e Thozetella Havanensis Cast, mencionados pela primeira vez para o Brasil.

MORAES, R.M. & DELITTI, W.B.C. 1996 Produção e retorno de nutrientes via serapilheira foliar de Euterpe edulis Mart. em Mata Atlântica de encosta, Ilha do Cardoso, SP. Naturalia , 21:57-62.

DELITTI,W.B.C. 1998 Ciclagem de nutrientes em cerrados. VIII Seminário Regional de Ecologia , UFSCar, São Carlos, p1031-1045.

FERRAN, A. , DELITTI, W.B.C. and VALLEJO, R. 1998 Effects of different fire recurrence in Quercus coccifera communities of the Valencia region (Spain). Proceedings of the III International Conference on Forest Fire Research. Coimbra, p 1555-1569.

MORAES, R. M., DELITTI, W. B. C. E DE VUONO, Y. S. 1999 Litterfall and litter nutrient content in two Brazilian coastal forests. Revista Brasileira de Botânica 22(1):9-16 ( abstract ) ( texto completo/text available )

Produção e conteúdo de nutrientes na serapilheira em duas florestas tropicais brasileiras). A produção de serapilheira e o seu conteúdo de nutrientes foram estimados em duas florestas tropicais costeiras do Brasil.- Floresta Atlântica de Restinga, localizadas na Ilha do Cardoso, São Paulo. As amostras foram coletadas mensalmente de Junho de 1990 a Maio de 1991, utilizando-se trinta coletores de 0,25 m 2 . A produção anual de serapilheira diferiu significativamente entre a Floresta Atlântica 6,3 t. há -1 e a floresta de Restinga (3,9 t. há –1 ). O processo foi continuo ao longo do ano com a queda máxima de serapilheira ocorrendo no início da estação chuvosa nas duas áreas. O retorno anual de elementos minerais na Floresta Atlântica foi (kg. Há –1 ): 101,8 n; 3,8 p; 20,3 k; 60,0 ca; 18,0 mg; e 14,6 s e na floresta de Restinga foi: 27,5 n;1,0 p; 6,5 k; 30,0 ca; 10,9 mg e 6,6 s. Embora pequeno, este retorno é relevante devido á baixa fertilidade dos solos destes ecossistemas, especialmente da restinga. A floresta de Restinga mostrou-se um ecossistema bem adaptado ás condições de oligotrofismo, estando entre os que apresentam maior eficiência na utilização dos nutrientes.

APRILE, F. M., DELITTI, W. B. C. e BIANCHINI JR, I. Proposta de modelo cinético de degradação de madeiras em ambiente aquático e terrestre. Revista Brasileira de Biologia 59(3):493-501

Um modelo cinético da decomposição de madeiras é proposto a partir de experimentos degradação de laminados de madeira de 12 espécies vegetais. São discutidos aspectos do decaimento desses recursos em termos cinéticos nos ambientes aquáticos e terrestre. De modo geral, verificou-se que: 1. O potencial de decaimento dos laminados, em função da lixiviação e/ou mineralização de compostos lábeis, é baixo (menores que 15%), cabendo aos processos oxidativos das frações resistentes a principal rota de mineralização; 2. O meio aquático tendeu a favorecer os processos de dissolução e verificaram-se incrementos nos coeficientes de mineralização do material refratário.

APRILE, F. M., DELITTI, W. B. C. e BIANCHINI JR, I. 1999 Aspectos cinéticos da degradação de madeiras em ambiente aquático e terrestre. Revista Brasileira de Biologia 59(3): 485-492.

Foi estudada a cinética de decomposição de laminados de diversas espécies de madeiras em ambientes aquáticos e terrestre da mata atlântica. Amostras de laminados de cinco espécies de madeiras foram expostas sobre o solo da floresta, enquanto amostras de 12 espécies foram estudas na lagoa presente na mesma área. Foram usadas bolsas de decomposição , " litter bags ", para avaliação direta da perda mensal de peso. No ambiente aquático verificou-se um período típico inicial com maior perda de peso, devido á lixiviação. A análise de correlação mostrou que a cor da madeira é inversamente relacionada á taxa de decomposição da angiosperma (r = - 0,95), mas a densidade das madeiras não é uma variável preditiva adequada. O processo foi mais rápido no ambiente aquático, como demostram os coeficientes de decomposição K ( Olson , 1963) obtidos: Torresea cearensis , 0,63 Cordia goeldiana , 0,61; Myroscarpus sp., 0,46; Cedrela sp. 0,35; Swieteniamacrophyla 0,31; Araucaria angustifolia 0,28; Pinus sp., 0,26 Phoebe porosa, 0,22, Machaerium villosum , 0,22; Dalbergianigra , o,21; Peltogyne discolor, 0,20; e Ocotea sp.., 0,19. No solo os valores obtidos são os seguintes: Torreseacearensis , 0,48; Cordiagoeldiana , 0,43; Phoebe porosa, 0,20; e Pinus 0,16.

BURGER, D.M. & DELITTI, W.B.C. 1999 (3) Biomassa da Mata Ciliar do Rio Mogi Guaçu. Revista Brasileira de Botânica 22(3): 429-435 ( texto disponível/ full text available )

Este trabalho teve como objetivos estimar a fitomassa epigéa da mata ciliar do rio Mogi-Guaçu e determinar a melhor equação preditiva da fitomassa arbórea. O trabalho foi realizado num fragmento de mata localizada no município de Itapira – SP (22º21'S e 46º51'W). Foram delimitadas 12 parcelas de 25 m 2 , para determinação da fitomassa através do método destrutivo. Os indivíduos arbóres foram identificados e cortados ao nível do solo. De cada árvore, foram tomadas medidas de perímetro basal e altura. As folhas foram separadas manualmente dos ramos para determinação do peso fresco da porção foliar e lenhosa. A vegetação herbácea-arbustiva, de porte inferior a 1,3m, de cada parcela, foi cortada ao nível do solo e tomadas as medidas de peso fresco da porção lenhosa e não lenhosa. O mesmo procedimento foi adotado para a lianas. Amostras de cada fração foram secas em estufa a 80ºC, até peso constante, para determinação do peso seco. A fitomassa medida obtida foi de 133,3 t.há.- 1 , sendo 88,5% referentes ao estrato arbóreo, 11,3% ás lianas e 0,2% ao estrato herbáceo. A equação que melhor estima a fitomassa arbórea total de mata com características e condições semelhantes ás da mata ciliar estudada foi definida como: Massa seca total =[0,523 + 0,053 perímetro] 3 .

DELITTI, W.B.C. and BURGER, D.M. 2000 Carbon and nutrient pools in a gallery forest at Mogi Guaçu River, Southeast Brazil. Annals of Forest Science, 57(1): 39-48 (texto completo da publicação/full text available)

MORAES, R. M., DELITTI, W.B.C. & MORAES, J.A.P.V. 2000 Fotossíntese líquida e crescimento de Tibouchina pulchra Cogn. nas proximidades de industrias petroquímicas, em Cubatão, SP. Hoehnea 27(10:77-85

Fotossíntese líquida e crescimento de Tibouchina pulchra cong. Nas proximidades de indústrias petroquímicas, em Cubatão, SP. Indivíduos jovens de Tibouchina pulchra , cultivados em condições padronizadas, foram expostos ao ambiente, nas proximidades da rodovia caminho do mar, em Cubatão, SP, onde estão instaladas indústrias petroquímicas. O vale do rio Pilões, uma região de Cubatão que não é atingida pelos poluentes aéreos provenientes destas indústrias, foi escolhido como área de referência. Seis plantas permaneceram em cada área por um período de seis meses. Ao fim deste período de exposição, foram medidos a fotossíntese líquida, a condutância estomática, e a transpiração não foram diferentes nas plantas expostas, comparando-se as áreas. Apesar disso, as plantas da área poluída apresentaram reduções significativas no crescimento em altura e diâmetro, no número de folhas e ramos e na biomassa de folhas, ramos e raízes. As razões raiz/parte aérea e raiz/planta inteira foram reduzidas e a razão folhas/plantas inteira aumentou revelando alterações no padrão de alocação do carbono. Os resultados indicam que as condições ambientais ao redor dessas indústrias são danosas ao crescimento das plantas.

MORAES, R. M., DELITTI, W.B.C. & MORAES, J.A.P.V. 2000 Respostas de indivíduos jovens de Tibouchina pulchra Cogn. à poluição aérea de Cubatão, SP: fotossíntese líquida, crescimento e química foliar . Revista Brasileira de Botânica 23(4): 441-447 ( texto disponível/full text available )

Respostas de indivíduos jovens de Tibouchina pulchra Cong. Á poluição aérea de Cubatão, SP: fotossíntese, crescimento e química foliar).Indivíduos jovens de Tibouchina pulchra, cultivados em condições padronizadas, foram colocados em três regiões de Cubatão para estudos dos possíveis efeitos dos poluentes aéreos sobre a fotossíntese, o crescimento e as concentrações foliares de ácido ascórbico, clorofila, nitrogênio, enxofre e fluor. As áreas de estudo foram: vale do rio Pilões (RP), considerada área de referência; caminho do mar (CM), próxima a industrias petroquímicas e vale do rio Mogi (VM), próxima a indústrias siderúrgicas e de fertilizantes. Quatro plantas permaneceram em cada área por um período de seis meses. Em comparação com as plantas mantidas na área de referência(RP- 9,81. Umol. M-2. S-1), a fotossíntese líquida foi reduzida (p< 0,05) nas plantas que foram mantidas em VM (8,02 umol. M-2. S-1),e não foi alterada em CM (9,29 umol.M-2. S-1). Em VM, as plantas apresentam redução do crescimento em altura e do conteúdo de ácido ascórbico, alteração no padrão de distribuição de biomassa entre as partes da planta e aumento das concentrações foliares de clorofila A e B, flúor, nitrogênio e enxofre. As plantas de CM apresentaram redução no crescimento em altura e diâmetro, aumento nas concentrações foliares de clorofila A e B, flúor, nitrogênio e enxofre. Os resultados obtidos indicam que as concentrações de poluentes ainda se encontrem em níveis fitotóxico em CM e VM, tendo sido mais altas em VM, durante o período de exposição.

DELITTI, W.B.C., MEIRELLES, S.T., MANTOVANI, W. COSTA, V.C.I., PAGANO, F. E BOZZO, G. 2000 ESCLEROFIA E NITROGÊNIO EM PLANTAS DOS CERRADOS DE EMAS, PIRASSUNUNGA, SP. V SIMPOSIO SOBRE ECOSSISTEMAS , VITÓRIA, ES, ACIESP N 0 109-III, P317-324 ( Texto disponível )

DELITTI, W.B.C., PAUSAS, J. and BURGER, D.M. 2001 Belowground biomass seasonal variation in two Neotropical savannahs (Brazilian Cerrados) with different fire histories. Annals of Forest Science . 58 (7) 713-721

FELFILI, J. M., NOGUEIRA, P.E., SILVA JR, M.C. MARINON, B.S. AND DELITTI, W.B.C. 2002 Composição Florística e fitossociologia do cerrado restrito do município de Água Boa. MT Acta Botânica Brasílica 16(1): 103-112

MORAES, R. M., DELITTI, W. B. C. & MORAES, J.A.P.V. 2003 Gas exchange, growth and chemical parameters in a native atlantic forest tree species in polluted areas of Cubatão, Brazil. Ecotoxicology and environmental safety, 54(2003): 339-345

DOMINGOS, M, A. KLUMPP, M.C.S., RINALDI I.F. MODESTO, G. KLUMPP & DELITTI, W.B.C 2003 Combined effects of air and soil pollution by fluoride emissions on Tibouchina pulchra Cogn., at Cubatão, SE Brazil, and their relations with aluminium. Plant and Soil 249(2): 297-308

SZABO, A.V., DOMINGOS, M., RINALDI, M.C.S. & DELITTI, W.B.C. 2003 Acúmulo foliar de enxofre e suas relações com alterações no crescimento de plantas jovens de Tibouchina pulchra Cogn. (Melastomataceae) expostas nas proximidades do pólo industrial de Cubatão, SP Revista Brasileira de Botânica. *Prelo (Aceito para publicação em 14/08/03)

Anna Ferran, Welington Delitti, V.R. Vallejo. Effects of fire recurrence in Quercus coccifera L. shrublands of the Valencia Region (Spain): II. plant and soil nutrients
Prepublication Date: 05/25/2004
pdf disponível http://www.kluweronline.com/issn/1385-0237

Welington Delitti, Anna Ferran, Louis Trabaud, V. Ramon Vallejo. EffectS of fire recurrence in Quercus coccifera L. shrublands of the Valencia Region (Spain): I. plant composition and productivity
Prepublication Date: 05/19/2004
pdf disponível http://www.kluweronline.com/issn/1385-0237

DELITTI, W. B. C.; BULBOVAS, Patricia; R. M. Moraes; FURLAN, C. M.; S. T. Meirelles; SANZ, M. J. Physiological responses of saplings of Ceasalpinia echinata Lam., a brazilian treeespecies, under ozone fumigation. Ecotoxicology and environmental safety, v. 63, p. 306-312, 2006.

CIANCARUSO, M. V.; PIRES, J. S. R.; DELITTI, W. B. C.; SILVA, E. F. L. P. Produção de serapilheira e decomposição do material foliar em um Cerraadão na estação Ecológica de Jataí, município de Luis Antonio, SP, Brasil. Acta Botanica Brasilica, v. 20, p. 49-59, 2006.

DELITTI, W. B. C.; MEGURO, M.; PAUSAS, J. G. Biomass and mineralmass estimates in a "cerrado" ecosystem. Revista Brasileira de Botânica, v. 29, p. 531-540, 2006.