11(1) Ciências das Atividades Físicas

Janeiro 2014

PDF (8 MB)

Expediente

Consultores científicos: Otaviano Helene, Arthur Sérgio Cavalcanti De França, Lia Queiroz Do Amaral, Hermany Munguba, José Guilherme Chaui-Berlinck, Daniel Almeida Filho, Robson Scheffer-Teixeira, José Eduardo P. W. Bicudo, Natalia Boccardi, Jorge Alves Audino, Raquel Castanharo

Editor científico: Otaviano Helene

Editores gráficos: Juliana Roscito e Leonardo M. Borges

Coordenadores: Agustín Camacho, Daniela Soltys, Pedro Ribeiro e Rodrigo Pavão

Artigos

Editorial
Otaviano Helene

Os artigos desta edição da Revista da Biologia têm um tema em comum: as atividades físicas, especialmente as humanas. Como os autores e as autoras dos artigos são de diferentes áreas de conhecimento e também diferentes instituições públicas de ensino superior, este número da revista tem um forte caráter interdisciplinar. 

 A maior parte desses artigos corresponde a uma série de seminários apresentados durante o ano de 2011, no Instituto de Física da USP. Essa série de seminários foi organizada com o objetivo de oferecer um tema comum – as atividades físicas – que permitisse o contato entre profissionais e estudantes de diferentes áreas do conhecimento, criando um ambiente capaz de promover e incentivar trabalhos interdisciplinares.

Os artigos tratam de temas como a composição das fibras musculares em atletas que se dedicam a diferentes atividades esportivas, os mecanismos físicos mais importantes nas corridas curtas e nos saltos em altura e distância, o papel do atrito e da resistência dos pelos dos primatas na origem do bipedalismo em humanos, a evolução do entendimento da demanda metabólica na locomoção, a função das ações excêntricas e concêntricas no ganho de massa muscular e, finalmente, como a imaginação pode contribuir para o desempenho de atividades esportivas.

Esperamos que a publicação dos artigos neste número da Revista da Biologia contribua para incentivar a interdisciplinaridade, complementando, assim, o desejo dos organizadores e participantes daquela série de semi- nários.

Esta publicação só foi possível graças ao esforço da coordenação da Revista da Biologia e à colaboração dos autores e das autoras, que sempre responderam às demandas necessárias para a preparação da revista. 

PDF
Atividade Física e Plasticidade da Musculatura Esquelética
José Eduardo P. W. Bicudo

A musculatura esquelética do ser humano contemporâneo, responsável por grande parte de suas atividades locomotoras, apresenta um desenho estrutural e um mecanismo básico comum resultante de um longo processo evolutivo. Entretanto, o tipo de atividade física realizada pode alterar esse padrão estrutural e funcional. Atletas que realizam treinamentos específicos de velocidade, força e resistência expressam fenótipos diferentes. Isto é, atletas que realizam provas esportivas de velocidade e força, como a prova dos 100 metros rasos e o arremesso de peso, respectivamente, apresentam predomínio de fibras de contração rápida, cujo metabolismo não depende do oxigênio (via glicolítica), enquanto atletas que realizam provas de longa duração (resistência), como a maratona, apresentam predomínio de fibras de contração lenta e dependentes do oxigênio (via oxidativa). Essas diferentes expressões da musculatura esquelética são conhecidas como plasticidade fenotípica, a qual ocorre tanto dentro de uma mesma espécie assim como, de modo mais amplo, entre espécies diferentes. Palavras-chave. Fibras musculares; Força; Plasticidade fenotípica; Resistência; Vias metabólicas. DOI: 10.7594/revbio.11.01.01

PDF
Uma breve análise da física da corrida de 100 metros rasos
Marcelo Takeshi Yamashita

Neste artigo, nós analisamos o desempenho do atleta jamaicano Usain Bolt nas provas de 100 m rasos das Olimpíadas de Pequim (2008) e do Campeonato Mundial de Atletismo em Berlim (2009). Através de uma função que ajusta a velocidade ao longo do tempo, nós calculamos diversas grandezas físicas como a força máxima, a potência máxima e a energia mecânica total produzidas pelo atleta em ambas as corridas. Utilizando o nosso modelo simplificado podemos dizer que, embora o tempo em Berlim tenha sido menor, o desempenho atlético de Usain Bolt, medido em termos da potência e da energia mecânica, foi melhor em Pequim. Palavras-chave. Fibras musculares; Força; Plasticidade fenotípica; Resistência; Vias metabólicas. DOI: 10.7594/revbio.11.01.02

PDF
Alguma física dos saltos em altura e distância
Otaviano Helene

Neste artigo, mostramos um modelo simples que foi desenvolvido para explicar os saltos em altura e distância. O modelo é baseado na máxima energia que um atleta pode produzir usando apenas uma perna. Conservação do momento angular é usada para explicar porque um atleta deve correr horizontalmente antes de executar um salto vertical. Os resultados obtidos concordam com as observações. Palavras-chave. Salto em altura; Salto em distância; Velocidade; Energia; Momento angular. DOI: 10.7594/revbio.11.01.03

PDF
Bipedalismo: solução para carregar crias, correlacionada com a redução de pelos
Lia Q. Amaral

Apresento o conteúdo de três artigos científicos meus, em que discuto o bipedalismo como consequência da necessidade de carregar com segurança as crias, correlacionado à diminuição de pelos do corpo na nossa linhagem evolutiva. Focalizo a forma como os primatas carregam suas crias, a pilosidade em primatas, propriedades mecânicas dos pelos de primatas e condições de equilíbrio para o transporte seguro das crias. Discuto o ambiente em que a evolução inicial ocorreu, as correlações entre bipedalismo e reprodução, e a proposta que tenho para dar uma explicação ao mistério de nossa origem, em termos de probabilidade de sobrevivência e da divergência com relação aos demais primatas. A conclusão menciona um retorno a Darwin, integrando o conhecimento acumulado no último século. Palavras-chave. Bipedalismo; Pelos; Carregar crias; Reprodução. DOI: 10.7594/revbio.11.01.04

PDF
Locomoção terrestre e demanda metabólica: uma revisão histórica
José Guilherme Chaui-Berlinck

O estudo da locomoção em meio terrestre, ou seja, sobre um substrato sólido, trouxe dois grandes enigmas quanto à energética do deslocamento. Um destes diz respeito à existência de velocidades preferenciais de deslocamento para cada tipo de passada (andar, trotar, correr), e se tais velocidades estão relacionadas a uma economia de energia. O segundo diz respeito ao que causa a demanda energética para o deslocamento, pois, supostamente, a energia cinética vertical do centro de massa é convertida a potencial, e vice-versa, além de não haver uma movimentação do substrato como ocorre no nado e no vôo. O presente artigo apresenta, sob o viés do autor, um apanhado cronológico de 40 anos de pesquisa na área, com os resultados e interpretações dadas no que tange aos dois enigmas acima citados. Palavras-chave. Energética; deslocamento; velocidade preferencial; aparelho locomotor; sistema músculoesquelético. DOI: 10.7594/revbio.11.01.05

PDF
Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular
Valmor Tricoli

Os principais ajustes ao treinamento de força são o aumento da massa e da força dos músculos esqueléticos. O grau de tensão da ação muscular é determinante destes ajustes e ele é influenciado pelo tipo da ação. Na ação excêntrica o músculo gera tensão com aumento de seu comprimento resultando em danos à musculatura. Visto que o treinamento excêntrico causa grande hipertrofia e ganho de força, o dano também pode ser considerado um estímulo de treinamento. Neste artigo serão apresentadas as características mecânicas e neurais das ações excêntricas e como elas podem contribuir para o que músculo esquelético se ajuste de maneira mais eficiente aos estímulos oferecidos pelo treinamento de força. Palavras-chave. Dano muscular; Hipertrofia; Treinamento de força. DOI: 10.7594/revbio.11.01.06

PDF
Cognição e Esporte
Lilian Negrão de Oliveira Silva, Marina Faveri de Oliveira e André Frazão Helene

Seja no aprendizado das regras de um jogo ou das habilidades necessárias para seu desempenho, os aspectos cognitivos envolvendo memória e atenção são fundamentais. A despeito disso, pouco ainda é dito sobre quais são as bases biológicas e como estas podem ser tratadas no desempenho esportivo. O presente texto procura caracterizar os aspectos cognitivos e sua correlação com o bom desempenho esportivo. Para tal, tratamos de (1) caracterizar modelos neuropsicológicos de atenção e memória, (2) como a interação das funções destes módulos se aplica ao treinamento por imaginação motora e (3) como se poderia analisar aspectos cognitivos do desempenho esportivo de atletas, com diferentes graus de habilidade, destreza e experiência, para se elaborar treinos específicos e identificar atletas com base em características cognitivas. Palavras-chave. Atenção; desempenho esportivo; identificação de talentos; imaginação motora; memória. DOI: 10.7594/revbio.11.01.07

PDF

Comentários

Puedo estar de acuerdo en que sea mejor el otro orden, lo pensaré. De todas formas te recuerdo que un scroll con el ratón tarda 0,5 sg aproximadamente. rental car momma coupon codes avis http://encouragingpoli7.soup.io/post/687297779/Amazing-Coupon-Tips-You-S...

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Tags HTML permitidas: <a> <em> <strong> <blockquote> <p> <br>

Mais informações sobre as opções de formatação