CARACTERÍSTICAS GERAIS DA REGIÃO DO PARQUE NACIONAL DOS LENÇÓIS MARANHENSES, MARANHÃO, BRASIL

Marcelo L. M. Pompêo & Viviane Moschini-Carlos
USP – IB, Departamento de Ecologia, R. do Matão, Travessa 14, 321, São Paulo, SP, Brasil, 05508-900, vivimarc@uol.com.br.

 

CLIMA

O Maranhão apresenta um volume de dados climatológicos que, além de reduzido, é mal distribuído no espaço geográfico do Estado (Atlas do Estado do Maranhão, 1984). Apenas 8 localidades possuem série anual longa, constituindo fator de limitação para estudos mais detalhados. Atualmente esta situação é mais crítica, visto que alguns postos de observação climatológica foram desativados, como na cidade de Barreirinhas. Na região de Urbano Santos, após a implantação de uma grande área de cultivo de eucaliptos pela Industria de Papel e Celulose Paineiras, foram instalados uma série de pluviômetros, sendo os únicos dados atualizados disponíveis para a região, representando um série histórica de poucos anos.

De maneira geral, o Estado do Maranhão possui elevados índices de precipitação pluviométricas. No contexto nordestino é uma área privilegiada. O regime de chuvas é nitidamente tropical, caracterizado pela divisão do ano em dois grandes períodos. O período chuvoso inicia-se em novembro ou dezembro, prolongando-se até abril ou maio (verão e outono), caracterizado por chuvas de grande intensidade. O período seco corresponde aos meses de inverno e primavera, quando as precipitações são geralmente muito esparsas (Atlas do Estado do Maranhão, 1984).

A região dos Lençóis Maranhenses, apesar do aparente ar desértico, apresenta um período chuvoso que de maneira geral estende-se de janeiro a julho. Para os anos de 1997 e 1998, na região próxima aos Lençóis, choveu em média 783,8 e 991,8 mm, respectivamente.


a)

Precipitação: série histórica.

b)                                              c)

Clique  Clique

Figura: (a) Série histórica da precipitação no posto de observação climatológica na cidade de Barreirinhas (BRASIL, 1990), e para os anos de 1997 e 1998 nas fazendas Barra do Onça (b) e Filadélfia (c) (Fonte: Industria de Papel e Celulose Paineiras, Urbano Santos, MA).

Limnologia