Extinções em massa

Para qualquer espécie, extinção pode parecer catastrófica. Mas para a história da vida na Terra, extinção é algo corriqueiro. Extinções ocorrem continuamente, gerando uma “renovação” das espécies viventes na Terra. Esse processo normal é chamado de extinção de fundo. Entretanto, às vezes, as taxas de extinção sobem abruptamente por um tempo relativamente curto – um evento conhecido como extinções em massa. Extinções em massa matam muitas espécies, mas os nichos vazios que ficam para trás podem permitir a radiação de novas linhagens para novos papéis, modelando a diversificação da vida na Terra.

As taxas de extinção de 600 milhões de anos atrás até o presente

Com os dados disponíveis agora, parece que a vida na Terra sofreu muitas extinções em massa. A mais devastadora, talvez, seja a extinção em massa do Permiano, 225 milhões de anos atrás. Cerca de 90% das espécies viventes naquele tempo foram extintas, incluindo a maioria dos vertebrados terrestres dominantes da época, os sinapsídeos. Cientistas estão estudando esse evento para descobrir se foi causado por mudança climática, erupções vulcânicas, alteração do nível do mar, movimento continental, impacto de asteróides ou vários desses fatores.

 

A extinção K-T
A extinção K-T (extinção do Cretáceo–Terciário, há 65 milhões de anos) é famosa por acabar com os dinossauros (exceto aves, é claro!), juntamente com dois terços de todas as espécies na Terra. Entretanto, pequenos mamíferos, tartarugas, crocodilos, aves, sequóias e muitos outros sobreviveram.

Há evidências confiáveis de que um asteróide gigante acertou a Terra ao mesmo tempo em que a extinção K-T. A pista definitiva é a cratera de 160 metros que ficou na costa do México, junto com depósitos geológicos confusos (irídio e quartzo fragmentado) consistente com um impacto de asteróide. O impacto provavelmente causou maremotos, terremotos e nuvens de poeira tão densas que tamparam o sol por meses. Um desastre tão grande é certamente capaz de causar uma extinção em massa. Entretanto, muitas linhagens estavam em declínio, sofrendo várias extinções, mesmo antes do asteróide cair. Essas extinções pré impacto devem ter outras causas.

Cratera Chicxulub

Explore mais
•  Desencadeando a Radiação Adaptativa
•  Estudo de caso: por que tantos besouros?
•  A explosão Cambriana

  próximo
Examinando a complexidade



Busca · Índice · Navegação · Direitos Autorais · Créditos · Contato
Entendendo a Evolução para Professores Início · Entendendo a Evolução Início

Veja outras opiniões do site Entendendo a Evolução

Tradução em espanhol do site Entendendo a Evolução para Professores da Sociedade Espanhola de Evolução Biológica.