Exposição e Dessecação

 
irradiância

 

hidrodinamismo

 

temperatura

 

fatores abióticos

 

início

Durante o período de exposição ao ar, os organismos do meso-litoral encontram-se sujeitos a influência dos fatores físicos ambientais e muitas vezes encontram-se privados de realizar funções vitais. Por exemplo, animais que se alimentam através da filtração, captando partículas de alimento ou nutrientes disponíveis na água, passam por um longo período de jejum.

Outro fator resultante da baixa maré é a dessecação, ou seja, a perda de líquidos devido à prolongada exposição ao ar, que pode ser agravada dependendo do grau de insolação, dos ventos e da umidade relativa do ar, resultando no aumento da concentração de sais dentro e fora dos organismos. Por outro lado, em um dia de chuva, a exposição ao ar resultará na diluição dos sais devido ao encharcamento do organismo por água doce, diminuindo, assim, a salinidade.

As situações acima descritas definem um padrão de seleção muito importante para os organismos que vivem na faixa entre marés dos costões rochosos.

Para sobrevivência nesta região sujeita à estas alterações diárias, existem inúmeras formas de adaptação, por exemplo,  conchas para armazenamento de água ou ainda a pigmentação ou ausência dela, pois sabemos que as cores mais claras amenizam o aquecimento proveniente da luz solar.


Rocha exposta durante a maré baixa - São Sebastião, SP

Foto: Fabiana Carvalhal

Durante o período de maré baixa, muitos organismos estão sujeitos à exposição, como é o caso desta anêmona, fixa na rocha.