SUCESSÃO ECOLÓGICA

Alterações graduais, ordenadas e progressivas no ecossistema resultante da ação contínua dos fatores ambientais sobre os organismos e da reação destes últimos sobre o ambiente.

Classificação dos processos sucessionais:

" Quanto às forças que direcionam o processo:

" Quanto à natureza do substrato na origem do processo:

Exemplo hipotético de uma sucessão primária:
Substrato original: depressão em superfície rochosa, preenchida pela água da chuva

Clímax: comunidade que expressa o máximo de desenvolvimento possível do ecossistema sob as condições do local em que a sucessão ocorreu.

Teorias sobre comunidade clímax:

Disclímax = ("disturbance climax" ou clímax de distúrbio): comunidade mantida em uma etapa anterior ao clímax, devido à ação de distúrbios repetidos (incêndios, sobrepastejo), muitas vezes decorrentes de atividades antrópicas.

Tendências esperadas no ecossistema ao longo da sucessão (primária)

ATRIBUTOS DO ECOSSISTEMA
Em desenvolvimento
Maduro
CONDIÇÕES AMBIENTAIS
variável e imprevisível
constante ou previsivelmente variável
POPULAÇÕES
Mecanismos de determinação de tamanho populacional

abióticos, independentes de densidade

bióticos, dependentes de densidade
Tamanho do indivíduo
pequeno
grande
Ciclo de vida
curto/simples
longo/complexo
Crescimento
rápido, alta mortalidade

lento, maior capacidade de sobrevivência competitiva
Produção
quantidade
qualidade
Flutuações
+ pronunciadas
- pronunciadas
ESTRUTURA DA COMUNIDADE
Estratificação (heterogeneidade espacial)
pouca
muita
Diversidade de espécies (riqueza)
baixa
alta
Diversidade de espécies (equitatividade)
baixa
alta
Diversidade bioquímica
baixa
alta
Matéria orgânica total
pouca
muita
ENERGÉTICA DA COMUNIDADE
PPB/R
>1
= 1
PPB/B
alta
baixa
PPL
alta
baixa
Cadeia alimentar
linear (simples)
em rede (complexa)
NUTRIENTES
Ciclo de minerais
aberto
fechado
Nutrientes inorgânicos
extrabióticos
intrabióticos
Troca de nutrientes entre organismos e ambiente
rápida
lenta
Papel dos detritos na regeneração de nutrientes

não importante

importante
POSSIBILIDADE DE EXPLORAÇÃO PELO HOMEM
Produção potencial
alta
baixa
Capacidade de resistir à exploração
grande
pequena

(Odum 1971; Margalef 1968)