ESTRUTURA DOS ECOSSISTEMAS: COMUNIDADES

Comunidades: conjuntos de espécies em interação sob determinadas condições ambientais

Em geral, as comunidades apresentam composição e organização complexas, sendo impraticável o estudo em sua totalidade Þ necessidade de simplificações como o reconhecimento de frações coerentes (vegetação, comunidade animal, plâncton, microorganismos) e de grupos de organismos estruturadores das comunidades (vegetais terrestres, corais).

· Comunidades terrestres em diferentes escalas: de biomas a micro-habitats

· Compartimentos do ambiente aquático e comunidades associadas

Formas de abordagem:

· Espécies presentes/riqueza (=nº de espécies) - reconhecimento e quantificação das espécies que compõem a comunidade (geralmente o 1º passo no estudo)

Comparações entre riquezas são possíveis somente se as dimensões das amostras das respectivas comunidades forem iguais (estatisticamente equivalentes)

· Composição específica - espécies presentes + proporção com que cada uma delas atua na comunidade

· Estrutura vertical: distribuição das espécies estratificada em relação a gradientes de fatores ambientais

· Padrões de distribuição horizontal:

Zonação: Distribuição diferenciada de espécies ao longo de gradientes de condições ambientais

Vegetação litorânea
Fauna de praias arenosas (principais espécies)

Manchas/Mosaicos: Distribuição diferenciada de espécies, de acordo com descontinuidades das condições ambientais

Exemplos:
- Coberturas vegetais com clareiras abertas em diferentes momentos;
- Fundos de corpos de água diferenças na constituição do substrato

Relações temporais:

· Estrutura trófica: a comunidade e os processos de regulação por interação

Efeito cascata (predação)
Regulação de cima para baixo ("top-down") e de baixo para cima ("bottom-up")
(Carpenter et al., 1985)
(Carpenter et al., 1985)